quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Anjos de Natal


Então é Natal

Como estrelas caídas do céu, a cidade
Cintila em cordões de luz...
Verdes pinheiros adornados
Indiferentes....
Agonizam,
Empoeiram...
Coloridos papéis embrulham expectativas
E são devorados por olhos inocentes...
E as mesas....
Mesas fartas, mesas vazias...mesas de Natal
Do cristal ao roto copo plástico
Da porcelana ao prato lascado
Mesas de Natal...
Em algum lugar....
Inerte, repousa
Um Presépio
Alguém vai lembrar...
Alguém sempre se lembra
Que hoje é apenas
O aniversário de Jesus!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

"J"


Queria poder fazer mais...

Era um banco velho e o tempo lhe havia gasto as formas. Estava lá desde que a praça havia sido inaugurada. Cansado. Nem lembrava mais de quantas historias já vivenciara. Quantas vezes se apaixonara. Quantas desilusões partilhara. O quanto de vida tivera. Quantas vezes se dilatara com os raios quentes do sol, absorvera gotas de suor de corpos cansados. Sentira até o gosto de sorvete, esparramado por crianças espevitadas. Voltava então a se sentir jovem. Outras tantas se contraíra sob a geada do inverno. E se aconchegava sob jornais e algum corpo magro e tremulante. Tivera sobre si pássaros, que anunciavam o novo dia, algum vira lata que o infestava de urina fétida, mesmo assim se sentia útil.
Era apenas um banco velho. Dividi com ele a minha inércia. Perguntei a ele os meus por quês. Choramos juntos.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Festa com amigas


Vergonha...

Moro num país lindo, colorido e corrupto. Um país onde os valores se inverteram. Onde estão os homens corajosos que empunhavam espadas, honra e defendiam essa terra? Perderam-se no ostracismo. No comodismo. Na falta de perspectiva.
Moro num país de mil paisagens, de raças múltiplas, variadas culturas e sem educação. Moro num Brasil...sem brasilidade. Disso tenho vergonha!